Meu Perfil
BRASIL, Mulher, de 36 a 45 anos, Portuguese, English



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
  Meu Twitter
 Deus e o Mundo (Leandro Marques)
 Almanaque do Peninha (Blog do Pr. Evaldo)
 Bibi de bicicleta
 Mate, pão de queijo e algo mais (Gabriela)
 Histórias e Pensamentos de uma Ruiva Infinita
 Varanda
 Bichinhos de Jardim
 Rosebud é o trenó! (Anderson)
 Mme. Mean
 Mundo Gump
 Aperte o Alt
 La Reina Madre (bolsa leeeeendas!


 
Macaquinhos no sótão


38 semanas

No dia em que completei 38 semanas de gravidez, escrevi um texto, mas não consegui publicar aqui, pq deu pau no site. Nele, eu falava sobre a proximidade da chegada da Maitê, das mazelas e alegrias dessa fase. Mal sabia eu o que estava pra acontecer... 

Meu relato de parto!

Acordei no dia 18/07, 
dia que completei 38 semanas às 2:30 da manhã com uma contração bem forte. E outras se seguiram, meios irregulares, mas com intervalos grandes, 30 a 40 minutos. Nem me preocupei, tomei a inibina e um buscopan pra tentar fazer passar. Isso me rendeu 1:30h de sono, mas depois, tudo voltou. Passei a manhã acompanhando a vinda de cada contração e os intervalos vinham vagarosamente diminuindo. Era dia de ir à médica, mas resolvi esperar dar o horário da consulta. Era encaixe mesmo, então ela havia me pedido que fosse mais pro fim do dia, que era mais calmo.

Qdo cheguei lá, as contrações vinham a cada 15 minutos. Ela me examinou e confirmou que eu estava em pródomo de trabalho de parto (palavrinha nova, hehehe), ou seja, a parada tava rolando mesmo. Ela explicou que poderia evoluir rápido, em 3 horas ou demorar muito, então me mandou pra casa e falou pra ligar, caso necessário.

Qdo cheguei em casa, as dores já vinham a cada 10 minutos e cada vez mais fortes. Liguei pro marido e pedi pra ele cancelar todos os planos e vir pra casa (ele iria na casa da mãe, no mercado e ainda estava na Dutra). 

Qdo ele chegou, as contrações vinham a cada 5 minutos. Foi o tempo dele tomar um banho, ligar pra médica (que já estava no hospital, numa outra cirurgia) e ligar pra família. 

No hospital, a médica plantonista me examinou e viu que eu estava com pouca dilatação, mas não disse qto. Eu, claro, pensei: Ah, devem ser uns 3 cm... humpft, tolinha...Fui internada e minha médica chegou. Eu, que nunca reclamei de levar toque, quase vi estrelas dessa vez. Ela falou que meu colo do útero tinha subido muito, tinha apenas 1,5 cm de dilatação, mesmo com as contrações já vindo a cada 3 minutos. 

Ela, então, falou: Bia, honestamente, isso é trabalho de parto pra, no mínimo, 10 horas, com grandes chances de ter que ir pra cesárea de qq maneira, pq o bebê não tá solicitando o colo do útero. (Outra palavrinha nova, significa que o bebê não tá empurrando onde deveria pra aumentar a dilatação). Decidimos, então, encurtar meu sofrimento, que tava braaaabo, e ir pra cesárea. 

Enquanto eu era preparada, marido se arrumava e meu pai me fazia companhia (o marido só entra depois da anestesia). Ainda tive que esperar um pouco, pq eles só me anestesiariam qdo o pediatra de plantão chegasse. Fiquei ali, "curtindo" as contrações, cada vez mais fortes e mais rápidas. 

Qdo aplicaram a anestesia... aaaaaaaaaaaah... que alívio... na boa, peridural é uma coisa de Deus! Marido chegou e a cirurgia começou. Em pouco tempo, chamaram o marido pra ver a Maitê sair, mas ela não estava a fim de colaborar. Girou sozinha dentro do útero e qdo a médica tentava segurá-la, ela se encolhia e não deixava. Nesse momento, eu só ouvia a médica falou: "Perái, rodou. Não empurra ainda, não tá dando..." enquanto o resto da sala permanecia em silêncio completo. Eu não sei se eu estava calma ou se não tinha real noção do que estava acontecendo, talvez as duas coisas. Dali, pra mim, só silêncio mesmo. 

Me foi contado que ela saiu toda molinha, marido falou que achava até que tava morta. Não respondeu aos estímulos da médica e foi entregue ao pediatra, que saiu correndo com ela pra outra sala. Marido e meu pai foram junto. Silêncio... de repente, ouvi um chorinho de longe e a médica falou: "Ó, chorou!" Pra mim, era outra criança, pq tava longe, né? Depois de um tempo, meu pai veio me falar que tava tudo bem e marido trouxe a Maitê pra eu conhecer. Ela era completamente diferente do que eu havia imaginado! Muito cabelo e castanho! Em pouco tempo, a cirurgia acabou e eu fui levada pro quarto. 

Fora do centro cirúrgico, meu pai comentou com a minha mãe que se a médica não fosse experiente, não estaríamos comemorando o nascimento da Maitê. De acordo com ela, o que aconteceu é raro, a última vez que aconteceu com uma paciente dela foi há mais de 10 anos. Mas no fim, deu tudo certo!

Maitê nasceu às 23:25 do dia 18 de julho de 2012, linda, cheia de saúde, graças a Deus. 

Agora, me deem licença, que minha pequena me espera. Depois, vou fazer o relato da amamentação. Beijinhos!



Escrito por Bia às 10h53
[] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]